Mulher

Deus cria uma mulher atrás da outra e atira-as para o meio da rua, uma demasiado alta, outra demasiado baixa, uma faladora, outra tímida, uma tão gorda que se torna amarga, outra tão sensual que se torna vaidosa. Sendo tão diferentes, são todas iguais, previsíveis, aborrecidas.

 

Mas de vez em quando aparece uma criatura diferente e se tivermos mesmo muita sorte, encontramos aquela que é perfeita para nós. Cara de anjo, sorriso de menina, corpo de mulher. Ela tinha cabelo negro e comprido, pele branca e uns olhos grandes que se tornavam gigantes quando olhavam para mim. Era quase sempre uma criança pequena que se alegrava com coisas que os adultos sisudos nunca reparam ou acham que não têm importância. Mas ela esperava que um adulto a abraçasse e confortasse quando caía e chorava. E eu nunca fui um adulto, até em criança fui sempre um velho. Um velho não tem paciência, está sempre demasiado cansado ou dolorido, desvia os olhos e espera que a criança pare de chorar.

 

Entre tantas outras coisas, ensinou-me que não existimos para sermos infelizes. Foi a mais bela novidade que ouvi desde que nasci. E com ela foi verdade. Nunca fui tão feliz na minha vida, nunca me diverti tanto, ri e sorri tanto, amei alguém tanto. Nunca conheci ninguém com tanta força e coragem, toda a energia que eu nunca tive estava concentrada em apenas um furacão de mulher. Mas como qualquer força da natureza, era completamente impulsiva e foi isso que primeiro nos aproximou e depois nos afastou.

 

Hoje caminho nas ruas monocromáticas de antigamente. Dantes julgava que havia mulheres de todas as cores, mas agora vejo que são apenas tons diferentes de cinzento. Sei que nunca mais vou ver a única mulher que brilhava como um arco-íris. É mais difícil ser infeliz quando já se conheceu a verdadeira felicidade, ficamos apenas com recordações dos lugares que já foram luminosos. Ainda agora volto atrás e a escuridão desaparece, ela com o sorriso que me tirava o fôlego, a alegria com que me contagiava, dava-me a mão e eu tinha a certeza que ia ser assim para sempre.

publicado por Dita Dura às 20:20 | link do post | comentar