Anjo

Sou o teu anjo da guarda. Quando tiveres frio, vou estar aí a aquecer-te. Quando tiveres medo, vou dar-te a mão. Quando estiveres perdida, vou abraçar-te e dizer que estás em casa. Por isso nunca te sintas só, vou estar sempre onde estiveres, a cuidar de ti.

 

Há um buraco na minha alma, é um deserto que secou tudo em mim e matou os jardins que costumavas regar. Sinto uma faca a rodar dentro do meu peito, não há nada que alivie o sofrimento, a não ser as memórias de um passado em que éramos apenas um. Partilhámos risos e alegrias, até partilhámos lágrimas, mas nunca deixaste de acreditar em mim. Por isso acredita agora que sou o teu anjo da guarda e que vou saltar montanhas, percorrer oceanos, fazer o impossível para te proteger.

 

Acabaram as súplicas e os pedidos aflitivos, não há mais orações ou preces. Estou preso numa cela fria sem portas nem janelas, sem sentimentos nem esperança, apenas com uma dor infinita onde antes era o meu coração. Nunca vou entender porque te foste, mas sei que não posso esperar pelas probabilidades de voltares. Só me resta ser o teu anjo da guarda e ter o consolo de saber que nunca ninguém te vai amar tanto como eu. 

publicado por Dita Dura às 00:21 | link do post | comentar